Tags

O primeiro encontro deles foi só para conversar e definir alguns detalhes sobre a relação Dono/cadela. Ela queria muito ter um Dono que cuidasse, que mostrasse o mundo BDSM de verdade e não os joguinhos virtuais que já estava cansada de viver.

Para aquele dia ele definiu como ela deveria ir vestida: com seu espartilho preto, uma camisa branca por baixo e uma calça leg preta, sem calcinha… A partir daquele dia uma peça que não usaria mais. Deveria ir com um salto alto, mas não tinha! Pediu emprestada a bota de sua irmã. Era algo que deveria providenciar a partir dali, sandálias de salto alto… Nunca gostou de saltos, era bem moleca. Mas por ele faria tudo, tudo mesmo, até mudaria seus gostos.

Combinaram de se encontrar no shopping, ela chegou 15 minutos mais cedo ele se atrasou um pouco por causa do transito. Mesmo muito nervosa, ela não deixou de olhar em seus olhos, e não esconder nada de sua vida para ele.

Ele a deixou muito nervosa, não conseguia sorrir, não sabia o que fazer com as mãos.

Combinaram de se encontrar em alguns dias, ai sim teriam uma primeira sessão. Mais uma vez ele ordenou como ela deveria ir vestida… Uma calça leg branca, com uma blusa curta. A calça deveria bem justa, e a calcinha abolida. Desta vez foi com uma sandália que tinha, mas ele disse: “ainda muito baixa cadelinha, terá que comprar uma sandália mais alta.”

Combinaram de se encontrarem em uma galeria da cidade, um lugar clamo e elegante. Ele trouxe para ela um presente, um biquíni MK micro e ordenou que marcas com o biquíni ela deveria fazer. O biquíni era minúsculo, ficou até com vergonha… Nuca tinha usado um biquíni pequeno assim. Mais uma ordem foi dada: “vá ao banheiro e coloque a parte de baixo do biquíni.” Sem contestar, ela foi e colocou.

Eles deram algumas voltas pela galeria, queria exibi-la, gostava de vê-la linda e sendo desejada.

Aquele dia ele não tinha tanto tempo como gostaria, não tinha trazido seus brinquedos, apenas o plug que ela iria usar hoje.

Ele perguntou onde teria um drive-in para poderem passar algumas horas, ela até conhecia alguns, mas estava pensando em outra coisa… Como ele não teria muito tempo, levaria ele em um motel barato, mas ele não sabia disso.

Antes de irem embora, ficaram um pouco no estacionamento. Ele mostrou a ela o pug que iria usar e disse: “Você vai pagar o estacionamento agora, e irá plugada”. Ela entrou em pânico… De calça branca justa, e ainda não consegui ficar com o plug direito, mas o que iria dizer? Apenas um “sim SR”. Ela virou-se de lado, ele passou um pouco de gel lubrificante no plug e introduziu nela, bem de vagar. Ela colocou a o biquíni e a calça novamente, ele deu o dinheiro para ela e a mandou ir. A principio achou que iria ser fácil, mas não foi. Estava indo tudo bem até o plug resolver escorregar dentre suas nádegas, ela ficou em pânico… Parecia que todos estavam olhando para ela. Dirigiu-se ao quiosque o mais rápido que pode, mas não conseguia ficar com o plug, pagou e correu para o banheiro, por pouco não deixou o troco para trás…

Ela não sabia se ria ou chorava dentro do banheiro, tamanho era seu desespero. Não queria desapontar seu futuro Dono, queria que tudo desse certo, queria que fosse perfeito! Ajeitou o plug, se olhou no espelho e foi novamente para o carro, o mais rápido que pode.

Quando chegou ao carro, sorriu um sorriso nervoso, e quando ele perguntou se estava tudo bem, ela respondeu um nervoso sim… Suas nádegas latejavam com o plug lá dentro, e ela começou a duvidar de sua capacidade como submissa, mas queria tanto ser dele!

Eles conversaram sobre os plugs que ela teria, caso aceitasse ser dele, e ela ganharia uma de passeio, deveria treinar para usá-lo de vestido e sem calcinha. Agora sim ela ficou realmente preocupada, ia conseguir? Já não conseguia sorrir, engoliu a seco… Não queria nem imaginar!

Ela o conduziu para o local que ela queria, e tinha uma vantagem: ele não conhecia a cidade. Durante o trajeto, foram conversando sobre vários assuntos, ele era realmente um homem bastante interessante, não iria deixar escapar tamanha preciosidade!

Chegaram ao local que ela queria, e para surpresa dele não era um drive-in era uma motel, desses baratos de beira de estrada e ele nunca tinha freqüentado um assim. Mas ela pensou: “como teriam pouco tempo, um motelzinho assim seria perfeito”.

Passaram pela recepção e foram para o quarto. Antes de entrar ele a fez andar com o biquíni e plugada pelas ruas do motel. Ele queria ver o porte da cadela, e ela não se saiu nada mal e suas nádegas era um caso a parte! Ele adora aquela grandeza!

Ele a fez ficar de quatro, ali começava sua vida de cadela. Ele a conduziu até o box do banheiro e a fechou ali em sua jaulinha improvisada. Ele voltou e a segurou pelos cabelos e conduziu novamente para o quarto e a mandou ficar de joelhos no canto… Esperando. Ele tirou o plug dela, foi ao banheiro e lavou, usaria novamente depois.

Ele não tinha preparado nada para trazer naquele dia, nem um chicote nem o cane, teve que usar a criatividade então se lembrou da cinta, não iriam deixar marcas uniformes como gostava, mas iria provocar muitas dores em sua futura cadela. Então o spanking começou… Uma, duas, dez… Perdeu as contas. A safe, ela escolheu o nome de sua cidade, mas naquela hora, não usou nenhuma vez. Gostava de ficar a mercê, queria chegar a nem usar uma safe, queria ficar totalmente nas mãos do Dono. Um dia isso poderia acontecer, se Ele a conhecesse e soubesse de seus limites! Seria o auge da perfeição!

Depois das belas cintadas, ele ordenou que ela se ajoelhasse na beirada de madeira da cama, a plugou novamente… Abaixou as calças e disse: “Agora é hora de você dar prazer ao seu dono. Quero que você, cadelinha ponha tudo na boca”. Ela se ajoelhou entre suas pernas e começou a sugar o membro duro Dele, tentou engolir tudo, mas não conseguia teria que treinar bem mais e testar outras posições, seria uma prazer treinar mais ela pensou…

Mas estava tão nervosa nesse dia quem conseguiu fazer sexo oral direito. Nesse dia não conseguiu relaxar, queria tudo perfeito, não queria errar.

O sexo foi ótimo… Anal, do jeito que ela gostava… Mas nem isso ela conseguia curtir direito, naquele momento, tamanho era seu nervosismo. Queria tudo perfeito! Mas não conseguiu.

Ele estava preocupado, parecia que ela não estava gostando. Não queria que fosse mais uma e já estava há muito tempo procurando uma cadela, e ela parecia ser a que ele tanto almejava.

A penetrou com vontade, ela gostava de sexo anal, ele também. Penetrou forte, batendo em suas nádegas carnudas.

Ela queria que ele gozasse na sua boca, mas ele quis algo diferente, algo que ela nunca tinha feito… Gozou em seus olhos, como se fosse um colírio. Ele a mandou abrir bem os olhos e ele gozou. O gozo penetrou seu olhos entrou pelo nariz e desceu pela boca, ela nunca tinha tido essa sensação, foi incrível!

Seu olho esquerdo ficou como tomado por uma conjuntivite.

Ao terminar ele perguntou se estava ardendo ou doendo, e o que ela tinha achado. Ela disse que foi bom e que não tinha doido nada!

Foi um misto de prazer, medo e desconfiança de ambas as partes, talvez nem tenha começado bem, mas primeiro passo foi dado.

Às vezes as coisas acontecem assim mesmo, um fogo tímido que todos acham que vai se apagar, mas não se apaga… Ele vai aumentando cada vez mais e mais.

Foi assim com os dois, Dono e cadela, que agora estão se consumindo em chamas e as alimentado cada dia mais!

escrito sandália