“Um dia desses fazendo pesquisas de imagens para o blog me deparei com um blog bem interessante sobre lendas urbanas ou como está na moda as lendas da DeepWeb. Conta o suposto relato de um médico que compra garotas em regiões pobres do mundo, menias entre 8 e 9 anos e as transforma em bonecas sexuais humanas. É um relato macabro, começando pela compra, depois amputação dos membros na altura do cotovelo e as pernas na altura dos joelhos. As cordas vocais são extraídas e os dentes são substituídos por próteses de silicone. O fato por si só já é chocante, mas algo não me passou desapercebido: o adestramento das meninas. Elas são adestradas para serem escravas sexuais, passam por sessões BDSM!

“Eu comecei há um ano atrás para pendurar Tanya e Luda em seus braços e pernas do teto. É uma forma interessante de decoração em seu quarto, ter uma Lolita nua pendurado em seu teto! E é muito bom para usar sua vagina ou boca quando ela está pendurada assim.”

“Ela não é mais uma garota comum, mas tornou-se um brinquedo, há um monte de coisas que ela tem de aprender.”

“Embora ela não possa mais falar, eu ainda posso me comunicar com ela para lhe ensinar algumas coisas elementares. Eu a ensino a dar um boquete bom, a desfrutar do sexo, quando seu clitóris e lábios vaginais são estimuladas com um vibrador. Também ensino a ela o que significa ser um escravo.”

“Chicoteio sua vagina todos os dias, principalmente em combinação com o uso de um vibrador, de modo que ela, em algum ponto já não será capaz de discriminar entre dor e prazer. Vou colocar grampos e pinos em seus mamilos e lábios, esticar seus lábios. Vou intensificar seu treinamento quando eu tratar sua vagina com agulhas. Sua vagina será tratada com cera quente, seu clitóris será torturado com agulhas, sua vagina será eletrocutada e depois costurada. Qualquer possível forma de tortura que ela terá que suportar antes que ela chegue ao estágio seguinte de sua transformação.”

É uma história fantasiosa, mas está repleta de significados. Essa é uma fantasia sexual e que alguns homens conseguem realizar. São eles Dominadores e suas bonecas as submissas.

Lembrando que tudo é consensual, nada do que fazemos é imposto… Mas as semelhanças com essa história Deepweb é incrivel!

Começando pela amputação: Nossos desejos são amputados, não temos mais controle sobre eles, o nosso desejo é o desejo do Dono, ele conduz.

Nossas cordas vocais são amputadas e aprendemos a nos comunicar novamente de forma como Ele deseja. Se Ele quiser pode controlar até como nos alimentamos.

Somos adestradas, punidas, servimos de brinquedos… Somos usadas quando Ele quer, como Ele quiser e se quiser. Podemos servir a outros, sem reclamar abrimos as pernas para quem Ele quiser.

Então acha mesmo que ser submissa é ser livre? Já li muito sobre esta tal liberdade de ser submissa por ai. Acho que até já escrevi sobre isso, em uma época que a submissão para mim era lago fantasioso. Quando você é realmente submissa, você é mutilada, virada do avesso, destroçada, perde seus desejos e sua liberdade. Como manter a sanidade? ainda não sei… As vezes perco a minha. Ai você pode me perguntar: Porque não deixa isso? Porque vive assim? Simples: Não é meu desejo ser livre, é o único desejos que posso ter.”

 

Eu escrevi esse texto originalmente ha 4 anos atrás. Eu ainda estava descobrindo o que era ser uma submissa, e eu ainda não sabia que não me enquadrava nesse perfil (submissa). Ser submissa e ter amor a servidão, amar servir e agradar outra pessoa e fazer os desejos dela. É uma loucura? Para alguns sim… mas essa loucura tem um limite e talvez eu tenha sido muito radical em minhas palavras e elas podem influenciar algumas pessoas de forma negativa. alguém  escreveu que se identificou com esse texto e me disse que costumava desmaiar nas sessões e que mesmo assim o Dominador continuava com as torturas. Não! Isso está completamente errado. Ninguém em sã consciência continua uma sessão com o outro desmaiado. E se acontecer uma convulsão? E se estiver amarrado no momento da convulsão? Já imaginaram os riscos? Como submissa/o você realmente não é livre, você não comanda nada, não comanda sessão. Você obedece! Pronto. Mas como pessoa, você é responsável pela sua vida, pelo seu bem estar, você é responsável por si mesmo, então você precisa colocar limites. Como Dominador/a, sádico/a, você manda, conduz a sessão. Como pessoa, você é responsável por outra vida, tem que ter empatia (para não se tornar um psicopata). Ou seja, em poucas palavras os dois precisam ser pessoas saudáveis emocionalmente. Eu peço desculpas se eu fiz algumas pessoas entenderem de forma equivocada o BDSM.

BDSM é jogo de poder, hierarquia. Uma submissa/masoquista não manda o Dono/Sádico fazer algo. Ela até pode sugerir, expor seus desejos previamente, dizer o que gosta de fazer e o que não gosta, mas na sessão ela/ele obedece. A  sub/masoca é um ser pensante, tem desejos… Mas tem que saber se portar e principalmente como pedir algo, ou como sugerir algo. Nunca diga: eu quero. Melhor dizer: Posso ter? Podemos fazer? Acha justo eu desejar isso? Porque a ultima palavra é do Top. E se você não se sente feliz, ou acha que não vai conseguir, é melhor buscar outro caminho. 

Imagem apenas ilustrativa do fogo no rabo!

Hahaha

Ainda continuo muito sarcástica.