Tags

Quando entrei para o universo BDSM, algumas pessoas me questionavam sobre a minha submissão. Muitos diziam que eu não era submissa. E eu sempre discordei deste ponto de vista. Sempre soube que não seria totalmente feliz se fosse Dominadora… porém, sentia que tinha um pezinho ali também. Não entendia muito bem isso até conhecer o termo Switch.

Eu não me sentia muito confortável em assumir, tinha um pouco de receio desse meu lado Dominante… Sei ser muito cruel quando quero. E ainda preciso tomar cuidado para não extrapolar.

Fiz minha primeira sessão como dominante essa semana.

A sensação é estranha, ter alguém ali a sua mercê. O poder está em suas mãos! O que fazer? até onde ir? A pessoa está ali confiando seu corpo a você.

Minha experiência foi com homem casado e que não poderia ter marcas muito evidentes. Acabei extrapolando e ficaram marcas sim! mesmo dando a safe, ele não pediu. Eu poderia ter parado e não parei! Erro meu. Infelizmente ficaram marcas que não poderiam, a confiança depositada em mim foi por água a baixo.

Outro erro: pressionada pela pressa de ter uma sessão, acabei realizando-a muito cedo. Poderia ter esperado… Mas por outro lado se espero muito poderia ser pior. Um submisso novato, que estava romanceando muito e bastante ansioso. Então me pergunto: quem está no comando? Eu não posso me deixar pressionar por ansiedade de submisso, se ele está ansioso, está com presa, vai ter que se acalmar, vai ter que aprender obedecer e ter consciência de quem manda sou EU. Quer uma sessão rápida? contrata uma prostituta e pede pra ela fazer o que a esposa/namorada não faz. Porque sendo uma Dominante, responsável pelo corpo de outra pessoa não farei nada rápido, não serei mais pressionada. Estou bastante decepcionada comigo mesma. Não foi um excelente começo, mas serviu como aprendizado.